Reconstrução do terraço-jardim do Instituto de Resseguros do Brasil

Destruído na década de 1980, o terraço-jardim ganhou outros usos e manteve esse apecto até 2015 quando iniciaram as obras de restauração do prédio. A partir dessa inciativa, o IRB convidou os responsáveis pelo acervo do Projeto Paulo Werneck para a reconstrução. A obra de instalação dos murais ficou a cargo da arquiteta Isabel Ruas e sua Oficina de Mosaicos, com supervisão de Claudia e Gaspar Saldanha.

No terraço-jardim há de fato um jardim. Um jardim em que flores, plantas, areia branca, pó de tijolo, lascas de pedra, águas, se dispõem seguindo formas abstratas. E nas paredes que limitam o terraço, o artista Paulo Werneck, solto, sem peias, fazendo ressurgir uma velha expressão de arte absurdamente em desuso, executou maravilhosos painéis em mosaico que seriam sufi cientes para celebrar um edifício.
Marcelo Roberto
Arquitetura – Revista do Instituto de Arquitetos do Brasil, n° 28. 1964.

Plantas baixas originais foram usadas para definir a localização do lago e dos canteiros do jardim. Estudos originais dos murais, desenhados a cores por Paulo Werneck, foram imprescindíveis para a reconstrução mas não foram suficientes para definir suas escalas e localização. Após uma extensa pesquisa, empreendida pelo Projeto Paulo Werneck, que incluiu reportagens e fotografias encontradas nas bibliotecas da cidade, constatou-se a configuração original dos murais. Usando pastilhas de mosaico do acervo do artista como referência, conseguiu-se reproduzir as cores e texturas criadas pelo artista.

 

Os sete murais instalados no terraço-jardim, os primeiros da carreira de Paulo Werneck, são representativos de tres estilos que definiram a longa trajetória do artista – figurativo, abstrato e geométrico.

Belo Horizonte recebe exposição do muralista Paulo Werneck em novembro

Depois de Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Recife, a exposição Paulo Werneck muralista brasileiro será inaugurada no dia 15 de novembro no Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte. Desenhos originais, imagens de painéis, filmes e documentos compõem a mostra.

A itinerância da exposição conta com o patrocínio da Petrobras através do Programa Petrobras Cultural.

A chegada da exposição a Belo Horizonte tem um significado especial, já que entre as obras de maior de destaque da carreira de Paulo Werneck (1907-1987) estão os painéis da igreja da Pampulha. A edição mineira da exposição será a mostra mais completa já realizada sobre o trabalho de Paulo Werneck no Brasil, criando um panorama da evolução da arquitetura moderna no país através dos murais criados pelo artista.  Além dos famosos Painéis da Pampulha, são obras de Werneck os painéis do Estádio do Maracanã (Rio de Janeiro), do Ministério da Fazenda, do Senado e do Palácio do Itamaraty (Brasília), e da agência do Banco do Brasil no Recife Antigo (Recife), entre outros 300 murais para residências, prédios públicos e comerciais. Seus trabalhos estão expostos a céu aberto, permeando o espaço público de várias cidades brasileiras.

Assessoria de Imprensa e imagens para divulgação

Exposição Paulo Werneck Muralista Brasileiro chega à Recife

De 23 de julho até 3 de setembro a exposição chega à Recife, no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM). São cerca de 100 desenhos origionais, vídeos, fotos e documentos sobre a obra de um pioneiro da abstração e das técnicas de mosaico no Brasil.

Paulo Werneck é autor do mural da empena do Banco do Brasil, na beira do rio Capibaribe, que domina a paisagem do Recife Antigo. Este mural, feito em 1962, foi a maior empena em mosaico realizada no Brasil e demorou mais de um ano para ser instalado.

 

 

Trabalhos de Paulo Werneck são exibidos na galeria Hauser & Wirth, em Nova York

A exposição Sensitive Geometries. Brazil 1950s – 1980s exibe três trabalhos de Paulo Werneck. Esta exposição, em cartaz de 12 de setembro a 26 de outubro de 2013 na galeira Hauser & Wirth New York, 69th Street, inclui obras de Lothar Charoux, Waldemar Cordeiro, Joao Jose Costa, Geraldo De Barros, Hermelindo Fiaminghi, Paulo Roberto Leal, Rubem Ludolf, Anna Maria Maiolino, Mira Schendel, Ivan Serpa, Franz Weissmann e de Paulo Werneck.

Saiba mais na matéria sobre a exposição feita pelo jornal O Globo.